Alimentação influencia no desenvolvimento da mandíbula

Na hora da refeição você sente alguma dor na mandíbula? Ou consegue saborear a comida numa boa? Como manter a mordida saudável por toda a vida? A alimentação pode ter relação com a dor e o tipo de comida pode alterar a estrutura da sua boca.

Algumas situações mudam a mandíbula: ranger ou apertar os dentes, tomar muita bebida gaseificada, acidez estomacal, apneia do sono, falta de dentes, preferência por um lado na mastigação.

Somos o que comemos e por isso a mandíbula se adapta de acordo com a comida de cada animal. A baleia cachalote tem uma mandíbula de cinco metros de largura e quase 30 metros de comprimento, como mostra a série da rede de televisão inglesa BBC ‘Os segredos dos ossos’. Os dentes são enormes e se encaixam uns nos outros.

A mandíbula do ser humano não é tão grande, mas também é forte e poderosa. Com o passar do tempo, ela foi mudando. Em 1500, a mandíbula do homem era maior porque ele comia alimentos mais duros e fibrosos. Com o tempo, a alimentação foi ficando mais mole e macia e a mandíbula se transformou.

Já sabemos que a alimentação influencia na mandíbula. Alimentos mais duros, mais moles… E as crianças, devem comer sempre alimentos mais moles? De acordo com o Ministério da Saúde, conforme a criança vai crescendo e entra na alimentação complementar, a consistência dos alimentos deve aumentar progressivamente até chegar à consistência da alimentação da família.

É nesse processo que a criança desenvolve mais ou menos a sua musculatura orofacial, bem como fortalecer os dentes que estão em fase de crescimento, o próprio processo de mastigação e deglutição e o controle da respiração durante o ato de comer.

 

Fonte: Colgate